A MONTIS

A MONTIS – Associação para a Gestão e Conservação da Natureza é uma Organização Não Governamental de Ambiente, sem fins lucrativos e de âmbito nacional. Criada no dia 23 de Março de 2014, a MONTIS está sedeada em Vouzela, distrito de Viseu. A associação centra-se na gestão de territórios.

OBJECTIVOS

No final de Janeiro de 2020, a MONTIS tem 473 sócios e gere 178 ha – correspondentes a 25 propriedades no centro de Portugal.

Os objetivos centrais da MONTIS são garantir o desenvolvimento dos processos naturais, promover a conservação de espécies autóctones, gerir de forma inteligente os fogos florestais e outros riscos naturais e aumentar o valor de mercado da biodiversidade.

TERRITÓRIOS MARGINAIS

Acreditamos em levar gestão a territórios marginais que sofrem neste momento um profundo processo de abandono. Para o fazer, adquirimos terrenos e gerimo-los de forma a aumentar a biodiversidade, procurando garantir a sustentabilidade da gestão quer dos nossos terrenos, quer dos terrenos de outros proprietários.

Motivação
A conservação da natureza tem como objecto a conservação de valores que nem sempre são suscetíveis de valorização no mercado. Por essa razão implica uma gestão do território que pode não ter proveitos suficientes para cobrir os seus custos.

Nestas circunstâncias ou as pessoas comuns mobilizam recursos obtidos noutras actividades para garantir essa conservação, ou o Estado assume inteiramente esse encargo, ou os valores correm o risco de ser preteridos face a decisões mais racionais do ponto de vista da rentabilidade das propriedades.

A Montis pretende trazer uma garantia às pessoas que se lhe associem, de que os recursos que aplicarem são directamente aplicados na compra de terrenos fugindo assim à lógica de rentabilização mais directa. As pessoas passam a ter a possibilidade de visitar áreas geridas prioritariamente para a conservação, consciencializando e permitindo o contacto directo com paisagens, plantas e animais que raramente se encontram noutro contexto.

MOTIVAÇÃO

A conservação da natureza tem como objecto a conservação de valores que nem sempre são suscetíveis de valorização no mercado. Por essa razão implica uma gestão do território que pode não ter proveitos suficientes para cobrir os seus custos.

Nestas circunstâncias ou as pessoas comuns mobilizam recursos obtidos noutras actividades para garantir essa conservação, ou o Estado assume inteiramente esse encargo, ou os valores correm o risco de ser preteridos face a decisões mais racionais do ponto de vista da rentabilidade das propriedades.

A Montis pretende trazer uma garantia às pessoas que se lhe associem, de que os recursos que aplicarem são directamente aplicados na compra de terrenos fugindo assim à lógica de rentabilização mais directa. As pessoas passam a ter a possibilidade de visitar áreas geridas prioritariamente para a conservação, consciencializando e permitindo o contacto directo com paisagens, plantas e animais que raramente se encontram noutro contexto.

A DIFERENÇA

O foco da MONTIS está presente na compra de terrenos e, na medida do possível, na criação de valor de mercado a partir dos valores naturais, dando garantia de continuidade na conservação dos valores que já por lá se encontram e envolvendo ao máximo a comunidade. O destaque da associação faz-se notar no grande esforço de transparência e comunicação de resultados, com abertura direta na verificação dos terrenos através de visitas, transmitindo confiança aos seus sócios e envolvidos.

Montis Conservaçao de Natureza

Órgãos Sociais

Direção

Presidente


Pedro Oliveira

Vice-Presidente


Luís Rochartre

Secretário Geral


Teresa Gamito

Tesoureiro


João Adrião

Conselho Fiscal

Presidente


João Cosme

Vogal


Nuno Neves

Vogal


Henrique Pereira dos Santos

Mesa da Assembleia Geral

Presidente


Júlio Jesus

Secretário


João Ruano

Secretário


Luís Lopes