print
No passado fim-de-semana, 16 e 17 de junho, fomos até ao baldio de Carvalhais num fim-de-semana de voluntariado apoiado pelo Fundo Ambiental.
Na manhã de Sábado focá-mo-nos em 2 ações específicas: a abertura de um acesso até uma área que será alvo de sementeira e/ou plantações na próxima época adequada para o efeito; continuámos a trabalhar uma linha de água em que temos feito várias intervenções nos últimos meses (plantações, estacaria e paliçadas).

Tivemos a companhia do Afonso que já segue as pisadas do pai e decidiu vir ajudar e aprender connosco. Achamos que terá ficado a conhecer o funcionamento de uma paliçada e toda a sua utilidade.

Na tarde de Sábado começámos a reabertura de um acesso há muito fechado por matos, no limite inferior da propriedade gerida pela Montis. Este acesso permite ir rapidamente da área de fogo controlado de Fevereiro deste ano à área de fogo controlado de Fevereiro de 2017. Além disso, este caminho será a base de uma faixa de contenção para o próximo fogo controlado.

No Domingo de manhã já sem o Afonso e o pai (Nuno Neves), terminámos a abertura do acesso iniciado na tarde de Sábado. O sol e o calor não davam tréguas e regressámos à linha de água trabalhada no dia anterior. Continuámos a sua limpeza aproveitando a sombra e água para nos defendermos do Verão anunciado que se fazia sentir. O grupo era pequeno (3 pessoas) mas ainda assim progredimos cerca de 20 metros na linha de água.

Um pequeno grupo, um grande esforço e mais um passo que nos levará das pedras aos carvalhais.
Numa nota pessoal, esta foi a última atividade que coordenei como voluntário ao abrigo do projeto LIFE VOLUNTEER ESCAPES, e como tal gostaria de agradecer a todos os que me acompanharam ao longo deste tempo na associação. Primeiro como estagiário e nestes últimos 3 meses também como voluntário, muito cresci e aprendi aqui. Agradeço a todos os voluntários que participaram nas atividades, a todos coordenadores e colaboradores.
Saio de coração cheio e volto em breve, como mais um voluntário pronto a ajudar.

Obrigado,
Miguel Martins